Advocacia Cível, Consumidor e Família

Controle de Processos

Notícias e Artigos

Jaime Ferreira Menino é homenageado antes da aposentadoria

Magistrado deixa 3ª Câmara de Direito Criminal.   O juiz substituto em 2º Grau Jaime Ferreira Menino participou, ontem (10), de sua última sessão de julgamento na 3ª Câmara de Direito Criminal antes da aposentadoria. O magistrado agradeceu aos colegas, aos funcionários do Gabinete, a Deus e à família. “Estou muito emocionado, o ciclo está se encerrando. Nesses 40 anos, sempre procurei ser nada além de juiz: julgar os processos dentro dos prazos, com bastante estudo e dedicação. Acredito que tenha exercido o cargo com dignidade e procurado ser o mais justo possível dentro da minha função jurisdicional”, afirmou. O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, ressaltou que tem em Jaime Menino um modelo desde a juventude. “Somos contemporâneos, ambos formados pela Faculdade de Direito de Bauru. Vibrei com o sucesso do Jaime quando entrou para a Magistratura e depois acompanhei toda a carreira dele. Sempre o vi como um juiz paradigma, que tem uma toga impecável, um homem ético, trabalhador e eficiente, exemplo de ser humano. São 40 anos de Magistratura límpida, inconsútil, sempre brilhando pela pureza de seus ideais”, falou. O presidente aproveitou a ocasião para contar um pouco da juventude dos dois. “Sempre tive o Jaime como uma pessoa de grande esforço, que lutou muito, é um exemplo de ser humano, de estudante. Estudou na Instituição Toledo de Ensino, em Bauru, onde também me formei”, relatou. “Ninguém tem nobreza de título, tem nobreza haurida pelo trabalho e os valores são repassados de pai para filho. Depois de ter escrito sua história, Jaime deixa na Magistratura seu filho Leonardo (juiz Leonardo Labriola Ferreira Menino), que continuará brilhando o nome da família ‘Ferreira Menino’. Essa é a maior glória que um juiz pode ter. Jaime deu a Leonardo todos os valores que recebeu de seu pai, Manoel Ferreira Menino. Nós viemos do trabalho, da dedicação, do amor e do respeito. É isso que passamos aos nossos filhos e que aprendemos de nossos pais”, disse. O vice-presidente da Corte, desembargador Artur Marques da Silva Filho, contou que conheceu Jaime em 1994, em Bauru. “Lembro bem da receptividade com que o magistrado nos recebeu na cidade onde na época judicava. Foram momentos muito agradáveis. Conheci seu filho, hoje juiz, ainda pequeno. Agora, neste novo ciclo, desejo que seja muito feliz e que seu filho Leonardo siga seus brilhantes caminhos”, afirmou. O presidente da Seção de Direito Criminal, desembargador Fernando Antonio Torres Garcia, falou em nome dos integrantes da Seção. “Trago o abraço afetuoso e carinhoso de cada colega. Todos desejam uma profícua aposentadoria”, falou. O presidente da 3ª Câmara Criminal, desembargador Luiz Antonio Cardoso, contou um pouco sobre a carreira de Jaime Menino e sua atuação na Magistratura. “Uma vida dedicada ao Tribunal de Justiça de São Paulo e à sociedade. Muito obrigada pelo exemplo de postura, de magistrado e de honra. Perdemos a sua companhia, mas estamos cedendo a quem realmente a merece: sua família”, disse. Presença surpresa, o juiz Leonardo Labriola Ferreira Menino também discursou. “É muito emocionante estar aqui hoje. Meu pai é um exemplo. Se eu for a metade da pessoa que ele é tanto como juiz, quanto na família, já estarei muito satisfeito. Espero ter a mesma honra e escutar essas mesmas palavras quando chegar meu momento final”, disse. Jaime Menino citou o filho durante seu discurso: “O terceiro filho resolveu, graças a Deus, para a minha imensa felicidade, seguir os passos do pai. Deixo Leonardo com toda a responsabilidade de ser um juiz íntegro, probo e trabalhador”. Também discursaram em homenagem a Jaime Menino os desembargadores Luiz Tolosa Neto e Antônio Álvaro Castello, o juiz substituto em 2º grau César Augusto Andrade de Castro e o procurador de Justiça Maurício Antônio Ribeiro Lopes. Durante as homenagens, o presidente da Corte também ressaltou a importância da Magistratura bandeirante. “Este tribunal é feito do trabalho de grandes magistrados e servidores. Cada um que está aqui contribui e presta o seu bom serviço para a garantia da grandeza da Magistratura da Terra de Piratininga. Tenho orgulho de ser juiz. O TJSP é composto por juízes sérios, honestos e independentes, que lutam pela Magistratura e servem ao jurisdicionado dando o máximo de si”, discorreu Pereira Calças. “O Jaime foi modelo de chefe e de exímio juiz. O que estou dizendo vem do meu coração e falo em nome do Conselho Superior da Magistratura e, assim, também em nome dos 360 desembargadores, 2.800 juízes e 43 mil servidores”, declarou. Também estiveram presentes o desembargador Mauro Conti Machado, o juiz assessor da Vice-Presidência Ronnie Herbert Barros Soares e servidores que trabalharam com Jaime Menino: Cristina Aparecida Miqueloto Álvares Legramandi, Carlos Eduardo Pelegrina, Darci José Fernandes, Fabio Rodrigo de Moraes, Luciana Mara Correa e Suzana Maria Mattoso.   Trajetória – nasceu em Paulistânia, São Paulo, em 1946. Graduado pela Faculdade de Direito de Bauru, turma de 1969, foi delegado de Polícia de São Paulo de 1971 a 1979. Em 79 foi nomeado promotor de Justiça e um mês depois tomou posse como juiz substituto, sendo nomeado para a 32ª Circunscrição Judiciária, com sede em Bauru. Também judiciou em Valparaíso e Birigui. Em 2006, foi promovido para a 11ª Vara Cível Central e, em face de opção requerida, no mesmo ano foi promovido para a 2ª Vara Criminal de Bauru. Em 2016, foi removido ao cargo de juiz substituto em 2º Grau.   imprensatj@tjsp.jus.br
11/12/2019 (00:00)
Visitas no site:  374769
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.